• Daniel Tavares Executive Media

“Anunciantes estão cada vez mais conscientes e a valorizar o Data Driven Marketing” afirma Daniel Tavares

A Markedu contactou vários especialistas de marketing, publicidade e comunicação, com o intuito de obter um parecer sobre o estado do email & data driven marketing em Portugal.

Daniel Tavares, Director de Serviço a Clientes da Executive Media, não duvida do retorno do investimento possível de obter com o data driven marketing, anota o nosso atraso por comparação a mercados mais evoluídos e, entre outros, considera que está nas mãos dos profissionais prestar esclarecimentos aos clientes sobre o seu potencial.

“Cada euro investido em data driven marketing, terá de gerar um retorno, pelo menos três vezes maior”

Anunciantes estão cada vez mais conscientes e a valorizar o Data Driven Marketing

Por ventura nota que entre os seus clientes se vive uma crescente consciencialização das oportunidades que o data driven marketing (DDM) trazem?

Vivemos na era da informação e dos dados estatísticos e desde que essa mesma informação seja de origem fiável e relevante, tem um valor incalculável para qualquer marketer.

Torna-se assim incontornável, ter informação que possa sustentar as suas opções a nível estratégico.

Por outro lado, obter indicadores que dêem a conhecer o grupo alvo e os hábitos de consumo, permite-nos ter insights que diminuem a margem de erro, trata-se de algo precioso nos tempos actuais. Hoje paga-se caro um erro de marketing, seja ele gerado por falta de informação ou por dados mal interpretados.

Um estudo do MIT – Massachusetts Institute of Technology para as organizações empresariais digitais, revela que as vendas são mais impulsionadas pela tomada de decisões baseadas em dados (data driven). Essas mesmas empresas, tiveram taxas de crescimento 4% superiores aquelas que não lhes tiveram acesso.

Outros Artigos:  Previsões para o Email Marketing em 2018 [Infográfico]

Penso que de uma forma geral e independentemente da sua dimensão, todos os anunciantes estão cada vez mais conscientes e a valorizar o DDM.

Subscreva a newsletter da Markedu e receba noticias, insights entrevistas exclusivas sobre marketing e branding

Será que esse interesse pode aumentar de forma significativa a curto prazo?

Podem aumentar por via de novos subscritores, ou seja, marcas que não davam o devido interesse e passaram a dar. Porque estão conscientes que há retorno financeiro a médio prazo.

Até que ponto considera que a sua agência está pronta para responder às necessidades dos clientes com serviços de marketing data driven?

A Executive, está ao nível dos outros players. Em parceria com outras entidades especializadas na área, podemos sempre coordenar e implementar análises que permitam obter Data Marketing. Para além disso somos parceiros de um dos maiores grupos internacionais na área da media em Portugal, que nos permite visionar informação e tendências internacionais.

> Clique aqui para conhecer o primeiro prémio em Portugal que reconhece marcas e agências que desenvolvem campanhas de email e data driven marketing, mensuráveis e com elevado retorno

Quando pensa no targeting e re-targeting do data driven, até que ponto diria que os anunciantes portugueses – de um modo geral – despertaram para as possibilidades destes “micro-segmentos” e “micro-momentos”?

Nem todos despertaram para esses micro-segmentos. Porém, devem ser os profissionais do sector a orientar e a formar os anunciantes, de forma a que cada vez mais as suas campanhas, sejam mais eficazes.

Nem todos os anunciantes sabem que o re-targeting, ajuda a manter a sua marca no TOP, em termos de tráfego. Para a maioria dos sites, apenas 2% são convertidos na primeira visita.

Outros Artigos:  Email marketing software: 36 Email Service Providers

O re-targeting é uma ferramenta desenhada para ajudar as empresas a alcançar 98% dos usuários não convertidos na primeira vez, a maior parte dos grandes anunciantes nos EUA já os utilizam, ou seja, não é novidade para eles, para mercados mais avançados.

O re-targeting ajuda a converter consumidores que já estão familiarizados com a marca e/ou recentemente demonstraram interesse nela. Por isso, torna-se mais fácil convertê-los e o índice de sucesso é maior.

Que desafios urgentes enfrentam as marcas portuguesas, de modo a ser possível alavancar as estratégias de data driven marketing quer este ano, quer nos próximos anos?

O grande desafio, é essencialmente sob o ponto de vista económico. Cada euro investido, terá que gerar um retorno, pelo menos três vezes maior e neste momento o consumo interno não está à altura de gerar esse mesmo crescimento.

Por outro lado, a internet tornou-se no maior shopping de que há memória e não conhece fronteiras. Existem duas novas gerações, a Y e a Z, que são nativas da era digital, estão habituadas a fazer tudo via digital, porque é mais fácil, mais cómodo e também sai mais barato, além de que é possível comparar preços com muita facilidade.

Dentro dos próximos cinco anos, estas gerações, vão conseguir gerar consumos em ambiente digital sem precedentes. O grande desafio dos anunciantes é, sem dúvida, mesmo com poucos recursos actualmente, irem-se adaptando a um mercado em constante mudança. Eu não duvido do seu retorno.

 

Gostou deste artigo? Se tiver alguma sugestão ou comentário, utilize a ferramenta de comentários desta página. Caso ainda não seja subscritor da newsletter da Markedu, pode fazê-lo aqui.

Partilhe o artigo com os seus amigos e colegas nas redes sociais

About the Author:

Como jornalista especializou-se em TI e Gestão, tendo escrito em diversas publicações desde o ano 2000. Foi correspondente do JN e da TSF em Paris.

Leave A Comment