• ComparaJá.pt markedu

Entrevista com Sérgio Pereira, director-geral e fundador do ComparaJá.pt

Actua no sector financeiro, na área de FinTech, e conta com mais de 20 mil utilizadores únicos por mês. Chegou ao mercado português em 2015, durante a crise económica.

O Comparajá.pt é uma plataforma gratuita de comparação de soluções financeiras, como os créditos ao consumo.

Com o centro de operações e conteúdos instalado em Portugal, emprega actualmente 50 pessoas de nacionalidades diferentes e está a expandir-se para novos mercados.

Do mercado financeiro ao marketing especializado neste sector, a Markedu procurou saber mais, junto de Sérgio Pereira, director-geral e fundador da empresa.

Markedu – No  website da Start Up Lisboa o ComparaJá.pt é apresentado como parceiro da Nova Founders Capital, mas no press release e restante informação surge como parceiro do CompareEuropeGroup. Porquê? Qual é a relação e a diferença entre ambas as organizações?

ComparaJá.pt sérgio pereira markedu

Sérgio Pereira, director-geral e fundador do ComparaJá.pt

Sérgio Pereira – O ComparaJá.pt é uma das ventures que englobam o CompareGlobalGroup, o maior grupo internacional de comparação financeira online, que por sua vez está dividido no CompareAsiaGroup, CompareEuropeGroup e CompareLatAmGroup, com empresas espalhadas pelos respectivos continentes.

A Nova Founders Capital, prestigiado grupo de investimento, é o principal impulsionador a nível global destas plataformas de FinTech líderes nos seus mercados. No caso específico de Portugal, o ComparaJá.pt é um projeto cofundado por mim e pela Nova Founders.

Que motivo levou à criação deste projecto agora em Portugal?

O que motivou a criação do ComparaJá.pt no ano passado foi a urgência em dar resposta à necessidade dos consumidores nacionais de disporem de uma plataforma gratuita onde pudessem identificar, comparar e adquirir qualquer produto financeiro presente no mercado português, num processo rápido, intuitivo e fidedigno.

Neste sentido, quisemos implementar um comparador independente que abrangesse todos os produtos que sejam relacionados com gastos fixos mensais dos portugueses – que vão desde os créditos aos seguros, mas também de outros produtos como telecomunicações, TV, Internet e energia.

A mudança de comportamentos e hábitos de consumo, em parte devido aos tempos difíceis que os portugueses atravessaram nos últimos anos, aliada a uma crescente penetração da internet e do mobile em Portugal, transparece uma grande oportunidade para o setor da FinTech.

O grande desafio está em migrar os utilizadores dos meios tradicionais para o online. No entanto, porque isto já aconteceu, por exemplo, com a marcação de vôos e hotéis, estamos firmemente convictos de que o mesmo acontecerá com os produtos e serviços financeiros.

Em que países existe? Pretendem expandir para outros países? Se sim, quais?

O CompareGlobalGroup está neste momento presente em 15 países. Na Europa, está em fase de expansão na Finlândia, Dinamarca e Portugal. A entrada em novos mercados europeus está já confirmada para breve.

No que toca à América Latina, o México foi o país escolhido como porta de entrada para um continente onde se espera um rápido crescimento ao longo dos próximos meses.

Por último, na Ásia, o grupo conta presença na China (Hong Kong mais especificamente), Filipinas, Singapura, Taiwan, Indonésia, Malásia, Vietname e Tailândia.

Para receber a newsletter da Markedu, que inclui alertas para eventos, clique aqui

Quem são os seus concorrentes directos e o que é que distingue o ComparaJá.pt da concorrência?

O ComparaJá.pt é uma plataforma inovadora no mercado português e, nesse sentido, não podemos falar neste momento em concorrentes na área da comparação de produtos financeiros online. Na verdade, esta é precisamente a oportunidade que vemos em Portugal: poder prestar um serviço único e de grande utilidade para os consumidores.

Caso olhemos pela vertente de distribuição de produtos financeiros, aí poder-se-ia dizer que o ComparaJá.pt vem competir com as diferentes alternativas no mercado, sejam online, físicas, telefónicas, entre outras.

No entanto, porque dispomos de uma plataforma desenvolvida com uma tecnologia avançada que nos permite afirmarmo-nos como um marketplace digital de produtos financeiros onde os utilizadores podem facilmente escolher, a partir de características pré-definidas, aquele que reúne melhores condições, somos efectivamente diferenciadores.

Somos os únicos que conseguem disponibilizar de forma gratuita um serviço que permite comparar e encontrar, em menos de 30 segundos, uma grande diversidade de opções financeiras.

De salientar, neste sentido, que a nossa equipa de analistas actualiza a diário os últimos dados sobre taxas, juros, benefícios, descontos e muito mais, facilitando o acesso a informações rigorosas, pormenorizadas e imparciais.

Complementarmente, porque aumentar a literacia financeira dos portugueses é uma preocupação do ComparaJá.pt, o nosso site alberga um blog de finanças pessoais. Gerido por uma equipa de especialistas, publicamos artigos diários, dicas, estudos e infográficos com o objectivo de ajudar os consumidores a fazerem uma melhor gestão do seu dinheiro.

Quantos utilizadores, clientes, tem hoje?

Neste momento temos mais de 20 mil utilizadores únicos por mês, o que se traduz em cerca de 100 mil páginas visitadas por mês. A nossa ambição é chegar a 1 milhão de visitantes por mês durante o próximo ano.

Workshop, Marsterclasses e Webinars sobre Marketing e Branding – Clique aqui para consultar a lista dos próximos eventos Markedu

Com a crise económica que vivemos, que tipo de perfil mais procura soluções de crédito em Portugal?

O crédito, muitas vezes visto com algum cepticismo pelo público, é um produto importante para a economia de qualquer nação. O aumento da procura de crédito é um sinal de melhoria das condições económicas no país, e, consequentemente, dos cidadãos.

Obviamente que temos de ser responsáveis no que toca a estes produtos. Isto porque podem ter consequências negativas para os indivíduos, ou até mesmo criar riscos sistémicos para o mercado, tal como aconteceu em 2008. A responsabilidade, neste caso, é tanto das instituições que oferecem crédito como dos indivíduos que o procuram.

Hoje em dia, há uma maior procura de crédito habitação, uma realidade bem patente pelo aumento em 70% que se verificou entre janeiro e outubro de 2015 quando comparado com o período homólogo. O crédito pessoal e automóvel também têm demonstrado grande crescimento nos últimos meses relativamente a 2014. Muitos portugueses adiaram a compra de um carro ou de uma casa, e até mesmo de umas férias, devido à crise financeira, mas agora sentem-se mais confiantes em avançar com esses investimentos.

Resumindo, a procura de crédito não está concentrada num perfil em particular. Existem consumidores que procuram crédito para uma casa, outros para um carro, e outros para tentar consolidar outros créditos de forma a baixar a prestação mensal.

Que grandes diferenças encontra entre o nosso mercado e os restantes mercados europeus?

Existem inúmeras semelhanças entre o mercado português e os restantes mercados europeus, sobretudo porque grande parte das leis são transversais. No entanto, existem algumas diferenças, sendo a principal o facto de observarmos que existe pouco investimento por parte do sector financeiro em e-commerce.

Ainda são muito poucas as instituições que permitem a subscrição de um novo produto financeiro online, sem necessitar de uma deslocação a uma sucursal – isto para novos clientes.

Claro que existem regulações que têm de ser consideradas nos processos de adesão a novos produtos. No entanto, as instituições têm de procurar ser mais proativas na hora de servir os seus clientes. As instituições que conseguirem executar esta mudança com sucesso vão aceder a clientes mais rentáveis e obter um custo de aquisição mais atractivo.

A FinTech, uma linha de negócio baseada na utilização de software para disponibilizar serviços financeiros, tem crescido exponencialmente nos últimos anos em vários mercados estrangeiros. Esta é, inevitavelmente, uma realidade que vai impactar o mercado português.

No domínio do marketing, conhece casos de sucesso de produtos financeiros online que possa partilhar connosco?

Existem vários casos de sucesso. Veja-se o exemplo do MoneySuperMarket, plataforma online líder de comparação de produtos financeiros no Reino Unido, que tem feito campanhas de content marketing com um impacto e abrangência impressionantes, tendo inclusivamente sido finalista do FinTech Innovation Award em 2015. O sucesso desta empresa muito se deve ao facto de ter tido uma solução de crédito com a taxa mais baixa do mercado e à qual apenas ela tinha acesso.

Outro bom exemplo de uma startup de FinTech é a ZOPA, a primeira empresa a apostar nos empréstimos a nível P2P no Reino Unido, e que até agora já emprestou mais de mil milhões de dólares.

Por último, de salientar ainda a Transferwise, empresa que criou uma solução que permite transferir dinheiro rapidamente para o Reino Unido – e dali para o resto do mundo – com a grande vantagem de praticarem as melhores taxas de câmbio do mercado.

Para receber a newsletter da Markedu, que inclui alertas para eventos, clique aqui

Temos a indicação de que a CompareEuropeGroup, parceira do Sérgio, fez de Lisboa o seu centro tecnológico e de marketing. Quantas pessoas emprega hoje e quantas quer contratar, em cada uma dessas áreas?

O centro de operações e conteúdos do CompareEuropeGroup emprega cerca de 50 pessoas de diferentes nacionalidades. Contamos com uma equipa predominantemente jovem, altamente qualificada e com muita dinâmica.

Porque o grupo está em grande expansão, estamos constantemente a recrutar novos talentos para fazer face às nossas necessidades.

Que mercados está esta equipa a abordar a partir de Lisboa?

Neste momento temos connosco as equipas de conteúdo de Portugal, Dinamarca, Finlândia e Bélgica.

Qual a importância dos comparadores de preços para o marketing digital e o e-commerce?

Os comparadores de preços têm tido um impacto muito grande em diferentes sectores da economia. Vejamos os sectores de hotéis, vôos e até de produtos como gadgets, portáteis, entre outros, onde existem várias plataformas de relevo a nível global e até nacional.

Vários estudos indicam que os portais de comparação são dos factores que mais influenciam o comportamento dos consumidores relativamente à compra. Neste sentido, os produtos financeiros não fogem à regra.

Outra grande vantagem dos comparadores é o facto de ser considerada uma fonte de tráfego muito qualificado pois o utilizador que compara preços tem uma forte intenção de compra.

Workshop, Marsterclasses e Webinars sobre Marketing e Branding – Clique aqui para consultar a lista dos próximos eventos Markedu

Que vantagens trazem os comparadores de preços para os retalhistas?

A aquisição de clientes é um processo caro para qualquer retalhista. Requer marketing, localização, preço, transparência e serviço (e muitas vezes a qualidade do prospecto poderá não ser a melhor). Porque cada vez mais os consumidores procuram informar-se antes de avançarem com a compra, os comparadores são um canal de distribuição e marketing muito interessante.

Com a ajuda do ComparaJá.pt, os parceiros conseguem destacar-se no sector, online, que é cada vez mais competitivo e cada vez mais importante para qualquer produto, e conseguem angariar clientes que muito provavelmente não conseguiriam através dos canais tradicionais.

Também trabalhamos com os nossos parceiros no sentido de fazer o seu negócio crescer. Isto passa por aumentar o número de clientes, bem como a sua qualidade e retenção, para além do esclarecimento dos consumidores relativamente aos diferentes produtos e serviços disponibilizados.

Que grandes desafios enfrenta o marketing no sector da FinTech?

Tudo o que implicar inovação e uma abordagem disruptiva em indústrias tipicamente tradicionais em termos de estrutura e processos, como é o caso da FinTech, é por si só um grande desafio. O mercado financeiro português não é excepção.

Em termos de marketing, o desafio é desenvolver conteúdos relevantes e interessantes para os consumidores. Queremos ajudar os portugueses a poupar nos produtos financeiros fazendo do ComparaJá.pt a grande referência na hora de perceber em que consiste determinado tipo de produto e como saber escolher a opção mais adequada.

O outro grande desafio passa por sensibilizar a indústria financeira (sejam bancos, agências de crédito, seguradoras, etc.) para os benefícios que advêm das soluções FinTech. Desde a redução de custos e agilização de processos à melhoria da notoriedade e consolidação da confiança dos portugueses nas instituições, são inúmeras as vantagens de apostar neste sector que vai desempenhar um papel cada vez mais preponderante na economia mundial.

Foi precisamente para dar resposta a esta realidade que, sob o lema “Nós comparamos, você poupa”, nasceu o ComparaJá.pt.

Gostou deste artigo? Se tiver alguma sugestão ou comentário, utilize a ferramenta de comentários desta página. Caso ainda não seja subscritor da newsletter da Markedu, pode fazê-lo aqui.

Consulte a lista dos próximos eventos realizados pela Markedu e veja se algum dos nossos webinars, workshops ou masterclasses aborda este tema

Partilhe o artigo com os seus amigos e colegas nas redes sociais

By |2017-11-29T12:53:05+00:00Janeiro 28th, 2016|Entrevistas com especialistas de marketing e branding|

About the Author:

Como jornalista especializou-se em TI e Gestão, tendo escrito em diversas publicações desde o ano 2000. Foi correspondente do JN e da TSF em Paris.

Leave A Comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.